Publicações atualizadas em nossa página do FACEBOOK




Publicações do nosso blog

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Paradoxo: Nasa anuncia que águas profundas dos oceanos pararam de arrefecer

20141071235_oceanos041014A temperatura média das águas frias dos oceanos parou de aumentar desde 2005, o que traz novas dúvidas aos cientistas sobre por que é que o aquecimento global parece ter diminuído nos últimos anos, apesar do aumento das emissões de gases com efeito de estufa.
Uma das principais hipóteses apresentadas até agora para explicar este paradoxo é que o calor acumulado pelos oceanos desceu a grandes profundidades.
Os cientistas da Nasa, do Laboratório de Propulsão a Jacto (JPL) em Pasadena (Califórnia, oeste), analisaram a temperatura dos oceanos entre 2005 e 2013, com base em medições realizadas com satélites e directamente em águas oceânicas, com 3.000 bóias distribuídas por todo o mundo.
«Descobriram que sob os 1.995 metros não houve praticamente mudanças de temperatura durante este período», destacaram no trabalho publicado na revista britânica Nature.
Apesar disso, «o nível dos oceanos continuou a subir», principalmente devido ao degelo no Polo Norte e na Groenlândia, destacou Josh Willis, da missão JPL e co-autor da pesquisa.
No entanto, o especialista considera que o fenómeno inexplicável não põe em dúvida a realidade do aquecimento global. «Estamos apenas a tentar entender este mecanismo», acrescentou.
No século XXI, os gases com efeito de estufa, entre eles o dióxido de carbono (CO2) produzido pela queima de combustíveis fósseis, continuaram a acumular-se na atmosfera, como aconteceu no século anterior.
A temperatura das águas superficiais nos oceanos (até 700 metros de profundidade) continua a aumentar, mas não muito rapidamente.
Um estudo publicado a 21 de Agosto na revista Science já tinha mencionado essa tese, destacando que uma corrente cíclica que se desloca lentamente no Atlântico e transporta o calor entre os polos, ganhou intensidade no começo do século XXI, fazendo com que o calor seja absorvido pelas águas a 1.500 metros de profundidade.

Fonte: http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=735130


EmoticonEmoticon