Publicações atualizadas em nossa página do FACEBOOK




Publicações do nosso blog

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Documentos Secretos do Governo Revelam a Farsa da Indústria das Vacinas

vacinas-infantis-0001

Se você tem filhos, mais do que provavelmente você já está ciente dos calendários vacinais do Ministério da Saúde, que recomendam (ou requerem) o  assombroso número de 25 vacinas até os 6 anos, incluindo vacinação anual contra a gripe, outras 6 até os 19 anos, e mais 9 até o fim da vida adulta. Nota: no artigo original, que mostra a realidade do calendário vacinal nos EUA , os números são 29 vacinas até os 6 anos de idade, e 16 outras dos 7 aos 18 anos.

Em um recente estudo investigativo elaborado pela Dra. Lucija Tomljenovic, Ph.D., descobriu mais de 30 anos de documentos governamentais ocultos expondo os calendários vacinais como sendo uma farsa completa, para não mencionar a fraude das próprias vacinas como proteção real contra doenças.

Embora o estudo se concentre principalmente no elaborado acobertamento das verdades sujas pelo sistema de saúde britânico em seu programa de vacinação nacional, os princípios do resultados do estudo ainda se aplicam a outros programas de vacinação, que normalmente são projetados com o propósito de servir a interesses corporativos ao invés da saúde pública. As autoridades do governo, ao que parece, em uma tentativa de satisfazer os objetivos particulares da indústria de vacinas, deliberadamente escondem dos pais informações pertinentes sobre os perigos e a ineficácia das vacinas por parte, a fim de manter um alto índice de cumprimento de vacinação. E no processo, eles colocaram incontáveis milhões de crianças em risco de 
efeitos secundários graves e morte.

Você pode acessar o artigo completo da Dra. Tomljenovic aqui (em inglês):

Escondendo a verdade e cobrindo-se de dados para incentivar o cumprimento vacina

Através de várias solicitações de informações baseadas na Liberdade de Informação (FOIA), o Dr. Tomljenovic foi capaz de obter as transcrições de reuniões privadas que foram realizadas entre a Comissão Mista de Vacinação e Imunização (JCVI), o chamado "comitê consultivo independente de peritos", que faz recomendações ao governo sobre a política de vacinas, e vários ministros da saúde britânicos ao longo dos anos. E depois de analisar esta enorme quantidade de informações,  anteriormente escondida da vista do público, o Dr. Tomljenovic fez algumas descobertas inquietantes.

"O JCVI (Comissão Mista de Vacinação e Imunização) fez esforços contínuos para esconder dos pais e profissionais de saúde dados críticos sobre reações adversas graves e contra-indicações, a fim de alcançar as taxas de vacinação global que eles julgavam serem necessárias para a "imunidade de grupo", um conceito que ...  não se baseia em evidências científicas sólidas", explica a Dra. Tomljenovic na introdução de seu estudo.

"Documentos oficiais obtidos através do Departamento de Saúde do Reino Unido (DH) e do JCVI revelam que as autoridades de saúde britânicas têm se envolvido em tal prática nos últimos 30 anos, aparentemente com o único propósito de proteger o programa nacional de vacinação."


Estas são duras acusações, mas a informação recolhidas pela Dra. Tomljenovic falam por si. Não só a JCVI rotineiramente ignorou as questões de segurança, que apareciam com o calendário de vacinação sempre em expansão, mas o grupo ativamente censurou dados desfavoráveis que lançavam uma luz "negativa" sobre as vacinas, a fim de manter a ilusão de que as vacinas são seguras e eficazes. Além disso, o JCVI regularmente mentiu para o público e autoridades governamentais sobre a segurança da vacina, a fim de garantir que as pessoas continuassem a vacinar seus filhos.


O JCVI estava plenamente consciente dos perigos da vacina tríplice viral (MMR) já em 1989, mas os encobriu.

Começando na página três do seu relatório, a Dra. Tomljenovic começa descrevendo os detalhes sórdidos das reuniões realizadas desde 1981, onde o JCVI claramente se envolveu em fraude, acobertamento, e mentiras a cerca de vacinas para proteger a indústria de vacinas de danos, ao invés das crianças. Minutas destas reuniões revelam que o JCVI ativamente tentou encobrir efeitos colaterais graves associadas com as vacinas comuns como a do sarampo e da tosse convulsa (pertussis), ambas os quais estavam claramente associadas na época com graves danos cerebrais de uma substancial percentagem das crianças que as receberam.

De particular interesse foi a forma como o JCVI manipulou dados desfavoráveis sobre a controversa vacina tríplice viral para o sarampo, caxumba e rubéola. Dez anos antes de o Dr. Andrew Wakefield publicar seu estudo sobre a vacina tríplice viral na revista The Lancet, o JCVI já estava plenamente consciente de que o Instituto Nacional de Padrões Biológicos e Controle (NIBSC) havia identificado uma clara ligação entre a tríplice viral e a meningite e encefalite induzidas pela vacina. Mas em vez de divulgar com esta informação e solicitar avaliações de segurança adicionais sobre a vacina, o JCVI censurou esta crítica informação do público, e por anos descaradamente mentiu sobre a segurança da vacina tríplice viral.

"A extensão das preocupações do JCVI com as implicações da avaliação científica da segurança da vacina na política vacinal explica por que eles se opuseram a qualquer vigilância de longo prazo para graves distúrbios neurológicos após a vacinação", escreve a Dra. Tomljenovic. Ao invés de reavaliar a política de vacinação, pelo menos até que as preocupações de segurança fossem totalmente avaliadas, a JCVI escolheu apoiar a política existente com base em evidências incompletas que estavam disponíveis na época."

Em outras palavras, o JCVI estava mais preocupado em proteger a reputação da perigosa vacina tríplice viral, assim como muitas outras vacinas questionáveis, do que proteger as crianças dos ferimentos graves, resultado dos potenciais efeitos adversos das vacinas. No que diz respeito a vacina tríplice viral, estas informações críticas não só reforçam a legitimidade das descobertas do Dr. Wakefield de 10 anos mais tarde, que foram ilegitimamente declaradas fraudulentas pelo estabelecimento médico, mas também ilustra o quão dolorosamente longo é o período que este golpe tem ocorrido.

Empresas de vacina pediram para manipular os dados e distorcer estudos de segurança para promover vacinas

Se isso não for ruim o suficiente, a Dra. Tomljenovic também trabalhou em grandes quantidades de informações sobre o hábito de longa data do JCVI de incentivar as empresas de vacina a deliberadamente alterar seus dados, a fim de fazer com que vacinas perigosas e ineficazes parecessem seguras e eficazes, de acordo com as suas recomendações. Quando  as contra-indicações do JCVI sobre a MMR, por exemplo, não coincidiam com as do fabricante da vacina, JCVI aparentemente instruia o fabricante a alterar suas folhas de dados para evitar "problemas legais".

Da mesma forma, a política oficial da JCVI era de escolher a dedo estudos não confiáveis para apoiar suas próprias opiniões sobre as vacinas, em vez de confiar em estudos independentes e cientificamente sólidos para fazer recomendações de política de vacinas. Mais uma vez, a posição do JCVI sobre a segurança e eficácia da vacina tríplice viral é um excelente exemplo disso, quando o grupo ignorou estudos legítimos sobre a vacina tríplice viral em favor dos estudos apoiados pela indústria farmacêutica como o infame Cochrane Review 2005, que tecnicamente não prova nada sobre a alegada segurança da vacina tríplice viral, porque os 31 estudos que avaliaram nem sequer alcançavam os critérios metodológicos básicos do grupo.

"Ao longo dos anos, o JCVI tem constantemente promovido a vacina MMR como segura, com base em estudos que têm provado serem irrelevante, inconclusivos, ou metodologicamente questionáveis", explica a Dra. Tomljenovic, acrescentando que o JCVI rotineiramente escolheu a contar com estudos epidemiológicos falhos que só identificavam a "associação" em vez de "nexo de causalidade", uma imprecisão bastante irônica à luz de como a indústria das vacinas tipicamente examina minuciosamente os estudos que contradizem suas próprias posições.

O revelador estudo de 45 páginas explica ainda como os calendários vacinais foram estabelecidos através da minimização calculada de preocupações com a segurança da vacina e de super-estimar os benefícios da vacina, a promoção de perigosas novas vacinas na programação infantil através do engano, o desencorajamento de estudos de acompanhamento de segurança das vacinas e a lavagem cerebral generalizada do público por meio de manipulação e truques.

Fontes:
Estudo: The vaccination policy and the Code of Practice of the  Joint Committee on Vaccination and Immunisation (JCVI): are they at odds?
Natural News: Secret government documents reveal vaccines to be a total hoax





Via: http://www.anovaordemmundial.com


EmoticonEmoticon