Publicado em: qua, nov 6th, 2013

Meteorito que atingiu a Rússia causou o maior impacto do século

Estudo dos fragmentos do meteorito e que explodiu sobre Chelyabinsk em fevereiro pode ajudar astrônomos a proteger o planeta de ameaças do céu.

O meteorito que explodiu violentamente sobre a cidade russa de Chelyabinsk em 15 de fevereiro deste ano causou a maior explosão espacial na Terra desde o fenômeno de Tunguska, registrado em 1908, também na Rússia. Como a queda aconteceu em uma área povoada – e um país onde, além de celulares serem comuns, também as câmeras instaladas no painel de carros são bastante frequentes -, pesquisadores conseguiram reunir uma quantidade inédita de material sobre o evento cósmico. Depois de visitar os arredores de Chelyabinsk nas semanas que se seguiram à queda do meteorito, 57 cientistas de nove países descreveram o caso em detalhes na edição desta semana da revista Science.

“Rezem”, diz diretor da Nasa sobre aproximação de asteroides
Qual a diferença entre asteroide, cometa, meteoro e meteorito?

“Se a humanidade não quiser seguir o caminho dos dinossauros, precisamos estudar um evento como esse em detalhes”, afirmou o professor Qing-Zhu Yin, do departamento de astronomia da Universidade da Califórnia em Davis. O exemplar que atingiu a cidade russa no início do ano pertence à classe mais comum de meteoritos, os condritos ordinários. Se uma catástrofe atingisse a Terra novamente, seria causada por um objeto desse tipo, afirmou Yin.

Nosso objetivo era entender todas as circunstâncias que resultaram na onda de choque que mandou mais de 1,2 mil pessoas aos hospitais na área naquele dia”, afirmou o astrônomo Peter Jenniskens, que faz parte da equipe liderada por Olga Popova, da Academia de Ciências da Rússia. A explosão foi equivalente à detonação de 600 milhares de toneladas de TNT – unidade utilizada para medir o impacto destrutivo de armas nucleares.

Os pesquisadores estimam que o asteroide tinha 19,8 metros de diâmetro, mas foi se fragmentando e deixou apenas um buraco de 7 metros de largura na camada de gelo que atingiu ao cair. Com a análise do meteorito em detalhes, os cientistas esperam estabelecer padrões de estudo para esse tipo de impacto e ajudar a entender melhor os objetos próximos da Terra (NEO, de Near-Earth Object, em inglês) e desenvolver estratégias mais eficazes para proteger o nosso planeta.


Notícia compartilhada no site: www.segundo-sol.com

Comente com o facebook



Mais abaixo comente sem ter conta no facebook

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Licença Creative Commons
O trabalho Segundo Sol está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-Compartilha-Igual 4.0 Internacional.
A cópia é estimulada desde que seja citada a fonte.

Este blog tem finalidades exclusivamente informativas e exprime as opiniões pessoais e subjetivas do autor.
Este blog não garante a exatidão do conteúdo fornecido nem pode ser considerado responsável por eventuais erros ou inexatidões das informações presentes no blog ou nos links externos. Este blog não é responsável pelos conteúdos inseridos por parte dos internautas na seção "Comentários".
Se em alguma publicação, direitos de autor ou de terceiros forem violados, por favor, contactar com o blog para podermos remover o conteúdo, escrever para: contato@segundo-sol.com informando o link. O conteúdo será prontamente removido.

Liberdade de Expressão
É importante esclarecer que este blog, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal ...
veja mais aqui

Print