Publicações atualizadas em nossa página do FACEBOOK




Publicações do nosso blog

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Após aumento de «fenômenos anômalos», Peru reabre serviço de investigação de OVNI


O Departamento de Investigação de Fenómenos Aéreos Anómalos (Difaa), criado pela Força Aérea peruana em 2001, está a ser reactivado depois de passar cinco anos em hiato, porque a imprensa do Peru tem vindo a reportar cada vez mais casos de discos voadores avistados, anunciou o coronel Julio Vucetich, director da divisão de interesses aeroespaciais da força aérea.

A unidade contará com sociólogos, arqueólogos, astrónomos, meteorologistas e militares da força aérea para analisar os eventos, disse Vucetich. «Muita gente não reporta ter visto um OVNI porque teme que isso os leve a ser rotulados ou os torne alvo de gozo, mas hoje em dia, com as novas tecnologias - vídeos gravados por telemóveis, Facebook, Twitter – as pessoas podem ser muito mais abertas, sem sentir que são as únicas a terem visto o que viram», disse.

«O novo serviço precisa que essas pessoas se apresentem e reportem o que viram para que possamos criar um arquivo e, usando as suas informações, conduzir as análises e investigações requeridas», acrescentou o coronel.

Vucetich diz que o departamento já atendeu chamados sobre um crescente número de fenómenos naturais e artificiais, de quedas de meteoritos à presença de «lixo espacial» no Peru. «Quando se apresenta indícios da presença de OVNI, as pessoas podem reagir com terror ou histeria, e por isso temos de ser cuidadosos ao apresentá-los», enfatizou o coronal.

Não é invulgar que OVNI sejam avistados nos céus do Peru. Há duas semanas, a imprensa local reportou que aldeões em Marabamba, na região de Huanuco, centro do país, viram bolas luminosas a voar pelo céu, por diversos dias em seguida. Numerosos contactos a informar sobre a presença de OVNI foram feitos em Chilca, uma cidade turística na costa, 59 quilómetros a sul de Lima. Os incidentes não explicados atraíram investigadores de todo o mundo. Paulina Jimenez, 82, que costumava viver em Chilca, disse ao Guardian que há 16 anos viu «um número imenso de luzes reluzentes» sobre um penhasco diante da praia de Yaya, o local em que os OVNI são mais vulgarmente avistados pelos moradores locais.

«Existem vários lugares no Peru em que OVNI são avistados regularmente. O pior é que esses incidentais jamais foram provados, e por isso não posso confirmá-los em nome da força aérea», diz Vucetich.


EmoticonEmoticon