Publicado em: seg, maio 21st, 2012

Super explosões solares podem estar associadas às interações magnéticas entre os planetas gigantes que orbitam próximos às estrelas

Em 1859, uma violenta explosão solar praticamente bloqueou todas as comunicações telegráficas do planeta, eletrocutando técnicos e produzindo auroras boreais até nas latitudes baixas. Agora, um novo estudo mostra que se ocorresse uma super explosão solar, as consequências seriam ainda piores.

O estudo, publicado no periódico científico Nature foi realizado a partir de observações feitas com o telescópio espacial Kepler, da Nasa, que observa cerca de 100 mil estrelas em uma porção de céu situada entre 600 e 3 mil anos-luz da Terra. Durante 120 dias o telescópio registrou 368 super flares e para nossa sorte, apenas 0,2% das estrelas similares ao Sol apresentam explosões desse tipo.

Diferentes dos flares comuns produzidos pelo Sol, os super flares podem ser 10 mil vezes mais intensos, mas de acordo com Hiroyuki Maehara, da Universidade de Kyoto, no Japão, esses eventos são pouco frequentes em estrelas de baixa rotação, como nosso Sol.

Além disso, os padrões registrados pelo telescópio Kepler indicam que essas super explosões podem estar associadas às interações magnéticas entre os planetas gigantes que orbitam próximos às estrelas, configuração diferente do nosso Sistema Solar onde os gigantes gasosos Júpiter e Saturno orbitam longe da estrela-mãe.
(Nota Segundo Sol: Então, se tivesse uma astro superior ao tamanho de Júpiter, se aproximando de nosso Sol, a situação mudaria de figura. Só faltaram eles dizerem que temos um astro com tamanho superior ao de Júpiter chamado de Hercólubus (Segundo Sol, Planeta X, Nêmesis, etc) e que ele se aproximada cada vez mais de nosso sol).

Mesmo sendo pouco provável a ocorrência de um super flare em nosso Sol, os cientistas não podem deixar de especular sobre o impacto que uma explosão desse tipo teria sobre a Terra. Segundo alguns modelos computacionais, na hipótese da Terra ser atingida diretamente por um super flare a camada de ozônio seria praticamente varrida, aumentando fortemente o nível de radiação ao nível do solo o que poderia provocar extinções generalizadas de algumas espécies.

Apesar dos super flares parecerem mortais a primeira vista, o estudo também mostra que alguns sistemas planetários distantes se beneficiariam do fenômeno, com o impacto das partículas carregadas fornecendo energia suficiente às atmosferas e iniciando as reações químicas necessárias ao desenvolvimento biológico.

A mais intensa
A tempestade geomagnética mais intensa que se tem registro foi denominada Evento Carrington e ocorreu entre agosto e setembro de 1859. A intensa tormenta foi testemunhada pelo astrônomo britânico Richard Carrington, que observou o fenômeno através da projeção da imagem do sol em uma tela branca. Na ocasião, a atividade geomagnética disparou uma série de explosões nas linhas telegráficas, eletrocutando técnicos e incendiando os papéis das mensagens em código Morse.

Relatos informam que as auroras boreais foram vistas até nas latitudes médias ao sul de Cuba e Havaí. Nas Montanhas Rochosas, no oeste da América do Norte, as auroras eram tão brilhantes que acordavam os camponeses antes da hora, que pensavam estar amanhecendo. As melhores estimativas mostram que o Evento Carrington foi 50% mais intenso que a supertempestade de maio de 1921.


Mensagem Publicada no site: www.segundo-sol.com

Comente com o facebook



Mais abaixo comente sem ter conta no facebook
Exibindo 3 Comentários
Diga o que achas a respeito
  1. Anonymous disse:

    Sou um cara que quer que essas coisas aconteçam, mas ao mesmo tempo sou cético. Só acredito vendo. Mesmo assim fico sempre numa expectativa sobre determinados acontecimentos. Será que agora vai? Esta é sempre a pergunta que faço… Até agora só tive respostas negativas, mas continuo esperando, embora não acreditando…

    Mateus

  2. Anonymous disse:

    Oi Mateus! Não sei se posso te dizer alguma coisa. (se não é bom por favor não publica André!) Mas se posso: melhor é algo entre ‘não querer’ ou no mínimo ‘não querer antecipar’ o que possa estar por vir. Quando é algo que tem a ver só com a gente é óbvio que dá pra desejar que a casa caia, se assim quiser! Mas como tem a ver com muita, muita genta mais: Deixa assim! Acho tb que todos (mesmo aqueles que sabem de coisas que a maioria não tem acesso)no fundo, no fundo não tem certeza absoluta. Se tivessem não estavam mais por aqui. É meio confuso, mas … Se alguém conhece tudo, conhece os mecanismos e sabe no que vai dar, já não devia estar nesta dimensão. Esta dimensão é para quem não sabe de tudo. Simone

  3. André MA disse:

    Existem aquelas pessoas que acreditarão somente no último momento.
    Embora tenha vários fatores que comprovam toda esta mudança e final de ciclo, cito alguma delas:
    (*)Busca pela ciência do Planeta X (temos uma página dedicada a isso)
    (*)Avistamentos do segundo sol pelo mundo inteiro
    (*)Mudança nos planetas vizinhos
    (*)“Massacre” (por falta de outra palavra) nas camadas que nossa ciência diz de proteção (heliosfera, magnetosfera, ionosfera), mas que na realidade, impede da luz chegar para nós.
    (*)Explosões solares
    (*)Mudança radical no clima mundial e fenômenos que nossa ciência não consegue explicar. (terremotos/enchentes/tsunami/Avistamentos de Ovnis, etc)
    (*)Etc, etc, etc

    APESAR DE TUDO ISSO,
    É só algum cientista falar que é absolutamente normal o que está acontecendo, para todos continuar suas vidas e não se abrir para o que está ocorrendo.

    Nem certo, nem errado: Cada um seguindo o seu SENTIR!

Deixe um comentário

XHTML: Você pode usar estas tags html: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Licença Creative Commons
O trabalho Segundo Sol está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-Compartilha-Igual 4.0 Internacional.
A cópia é estimulada desde que seja citada a fonte.

Este blog tem finalidades exclusivamente informativas e exprime as opiniões pessoais e subjetivas do autor.
Este blog não garante a exatidão do conteúdo fornecido nem pode ser considerado responsável por eventuais erros ou inexatidões das informações presentes no blog ou nos links externos. Este blog não é responsável pelos conteúdos inseridos por parte dos internautas na seção "Comentários".
Se em alguma publicação, direitos de autor ou de terceiros forem violados, por favor, contactar com o blog para podermos remover o conteúdo, escrever para: contato@segundo-sol.com informando o link. O conteúdo será prontamente removido.

Liberdade de Expressão
É importante esclarecer que este blog, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal ...
veja mais aqui

Print